quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Pacific Ocean Warming at Fastest Rate in 10,000 Years

Just how rapid is the current rate of warming of the ocean? There is an interesting new article by Rosenthal and collaborators in the latest issue of the journal Science entitled "Pacific Ocean Heat Content During the Past 10,000 Years" that attempts to address this question. The article compares current rates of ocean warming with long-term paleoclimatic evidence from ocean sediments. So how rapid is the ocean warming? Well, for the Pacific ocean at least, faster than any other time in at least the past 10,000 years.
The study finds, specifically, that (to quote Columbia University's press release) the "middle depths [of the Pacific Ocean] have warmed 15 times faster in the last 60 years than they did during apparent natural warming cycles in the previous 10,000".
Beyond that key overall take-home conclusion, though, there are some enigmatic aspects of the study. The authors argue for substantial differences between proxy reconstructions of surface temperature and their new sediment core evidence of intermediate water temperatures from the tropical IndoPacific, during the past two millenia. The researchers argue that recent warmth is anomalous in the former case, but not the latter. They argue that, while the present rate of ocean warming is unprecedented, the actual level of ocean heat content (which depends not just on surface temperature, but also sub-surface ocean temperatures) is not as high as during Medieval times, i.e. during what they term the "Medieval Warm Period" (this is a somewhat outdated term; The term "Medieval Climate Anomaly" is generally favored by climate scientists because of the regionally variable pattern of surface temperatures changes in past centuries--more on this later).
One complication with their comparison is that the dramatic warming of the past half century is not evident in the various sediment data analyzed in the study. "Modern" conditions are typically defined sediment by the "tops" of the sediment core obtained by drilling down below the ocean bottom. But sediment core tops are notoriously bad estimates of "current" climate conditions because of various factors, including the limited temporal resolution owing to slow sediment deposition rates, and processes that mix and smear information at the top of the core. Core tops for these reasons tend not to record the most recent climate changes. Thus, the researchers' data do not explicitly resolve the large recent increases in temperature (and heat content). But if the warming of the past half century is not resolved by their data, then the assumption that those data can be registered against a common modern baseline (the authors use a reference period of 1965-1970) too is suspect. That registration is critical to their conclusion that modern heat content has not exceeded the bounds of the past two millennia.
There are also some puzzling inconsistencies between the authors' current conclusions and other previously published evidence implying a very different pattern of global ocean heat content changes over the past two millennia. Current global sea level has been shown to be unprecedented for at least the past two millennia in previous work using both proxy-based sea level reconstructions and predictions from "semi-empirical" models of sea level change. Thermal expansion due to sub-surface ocean warming is a substantial contributor to the observed rise this century in global sea level. It is thus difficult to reconcile the observation that modern sea level is unprecedented over at least the past two millennia with the authors' claim that there has not been an anomalous increase in global ocean heat content over this time frame. Given that there is unlikely to have been any sea level rise contribution from melting ice sheets prior to the most recent decades, any explanation would have to involve extremely large sea level contributions from the melting of small glaciers and ice caps, contributions that exceed what is actually evident in the climate record.
Finally, we need to maintain a healthy skepticism about broad conclusions about global climate based drawn from one specific region like the tropical IndoPacific. It is surprising in this context that the article didn't mention or cite two studies published in the same journal (Science), a few years ago: Mann et al (2009) and Trouet et al (2009) which demonstrate a high degree of regional heterogeneity in global temperature changes over the past millennium. Both studies attribute much of that heterogeneity to dynamical climate responses related to the El Niño phenomenon. The tropical Pacific appears to have been in an anomalous La Niña-like state during the Medieval era. During such a state, which is the flip-side of El Niño, much of the tropical Pacific (the eastern and central tropical Pacific) is unusually cold. But the tropical western Pacific and IndoPacific are especially warm. That makes it perilous to draw inferences about global-scale warmth from this region (see this more detailed discussion at RealClimate).
There a few other minor, odd things about the study. In a figure comparing the sediment records with proxy reconstructions of surface temperature, the authors attribute one of the curves to "Mann 2003" in the figure legend. This would appear to be a reference to a rather old reconstruction by Mann and Jones (2003), which is supplanted by a newer, far more comprehensive studies by Mann et al (2008). The authors indeed cite this latter study in footnote of the figure caption. So it is unclear which reconstruction is actually being shown, and the comparison is potentially inappropriate. The authors, in a different figure, show a recent, longer albeit somewhat more tenuous reconstruction of global temperature over the past 11,000 years by Marcott et al (2013), published in Science earlier this year. That reconstruction was observed to be consistent with that of Mann et al (2008) during the interval of overlap of the past two millennia.
It is also puzzling that the article doesn't show or even cite the most comprehensive hemispheric reconstruction to date, that of the PAGES 2K consortium published in the journal Nature Geoscience two months before the present paper was submitted to Science. That reconstruction demonstrates modern warming to considerably exceed the peak warmth of the Medieval period, closely resembling the original Mann et al "Hockey Stick". It would have been useful to see all of these reconstructions, each of which demonstrate recent warmth to be anomalous in a long-term context, compared on the same graph against the sediment series of this study.
In summary, the Rosenthal study is interesting and it provides useful new paleoclimate data that give us an incrementally richer understanding of the details of climate changes in pre-historic times. However, there are a number of inconsistencies with other evidence, and debatable assumptions and interpretations, which will require sorting out by the scientific community. That is, of course, the "self-correcting" machinery of science that Carl Sagan spoke so eloquently of.

By Michael E. Mann

UFRN: Mestrado e Doutorado em Ciências Climáticas

Informamos que já estão abertas as inscrições nos Processos Seletivos
2014 dos Cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências Climáticas da
Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Período de Inscrições - Até o dia 22/11/2013

As inscrições serão realizadas on-line:




Programa de Pós Graduação em Ciências Climáticas - PPGCC
Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
Tel: (84) 3342-2479

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Seca no Nordeste compromete abastecimento

Perto de colapso, reservatórios sem água ameaçam abastecimento no Nordeste

O prolongamento da estiagem no Nordeste deixou a maioria dos reservatórios de água em situação crítica e ameaça o abastecimento dos moradores de algumas cidades da região nos próximos meses.
A falta de acúmulo de água pelas poucas chuva é apontada por especialistas como um dos principais problemas a média prazo causados pela seca que atinge a região desde o final de 2011.
A atual estiagem, segundo o governo, foi responsável pela morte de 4 milhões de animais somente em 2012.
A situação das barragens e açudes de abastecimento é preocupante em pelo menos cinco Estados, segundo dados colhidos pelo UOL com os institutos de recursos hídricos e meio ambiente. Ao todo, oito dos nove Estados do Nordeste estão em área do semiárido -- só o Maranhão está fora-- e sofrem com a seca.
"Em 2013, por exemplo, a região enfrenta a maior seca dos últimos 50 anos, com mais de 1.400 municípios afetados", disse o meteorologista Humberto Barbosa, da Universidade Federal de Alagoas.

O caso do Rio Grande do Norte

No Rio Grande do Norte, os reservatórios estão com menos de 40% da capacidade total de acumulação de água. Segundo dados desta sexta-feira (25), da capacidade de 4,9 bilhões de litros, os reservatórios estão com apenas 1,9 bilhão.

A situação é mais crítica em algumas regiões do sertão. O maior reservatório, o Engenheiro Armando Gonçalves, em Assu, dos 2,4 bilhões, o volume atual é de 934 mil-- 39% da capacidade. Há casos de reservatórios vazios, como o de Pilões.

 Leia mais no Portal do UOL

Veja também o video http://goo.gl/lsZEwl

Mudanças climáticas no Brasil devem trazer prejuízo e pobreza

Por Fred Furtado, do Rio de Janeiro
Agência FAPESP – Secas mais intensas, prejuízo na agricultura, diminuição do pescado, reformulação da matriz energética – esses são alguns dos impactos que as mudanças climáticas devem gerar no Brasil. E os mais afetados serão os brasileiros de classes econômicas menos favorecidas.
Esse é o cenário descrito no sumário executivo do Grupo de Trabalho 2 (GT2) do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), divulgado sexta-feira (25/10) na Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), no Rio de Janeiro. O documento aborda os impactos das mudanças climáticas nos sistemas naturais e socioeconômicos, bem como suas consequências, além de opções de adaptação ao novo cenário.
“Esse relatório mostra que os impactos já estão acontecendo e é preciso tomar decisões quanto a isso de imediato. Quanto mais se espera, maior e mais caro fica o problema”, afirmou Suzana Kahn, pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e presidente do comitê científico do PBMC.
Para ela, o relatório também fornece elementos para que os governantes brasileiros planejem suas respostas de maneira a diminuir os impactos e os custos, bem como para melhorar a inclusão social. “Quem sempre sofre mais e tem menos chance de se adaptar é a população pobre”, declarou Kahn.
O primeiro sumário executivo do Relatório de Avaliação Nacional (RAN1) do PBMC foi divulgado no dia 6 de agosto durante a 1ª Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais (Conclima), organizada pela FAPESP, em São Paulo (leia mais em http://agencia.fapesp.br/17840).
Recursos hídricos
A água é um elemento-chave na questão dos impactos das mudanças climáticas. Segundo o sumário divulgado na sexta-feira, as alterações nos regimes de chuva devem levar a secas e enchentes mais frequentes e intensas, podendo também ter impacto sobre a recarga de águas subterrâneas.
As taxas de vazão dos rios também sofrerão variação. No leste da Amazônia e no Nordeste, as perdas podem chegar a 20%, sendo que na bacia do Tocantins o valor é de 30%. Já na do Paraná-Prata, a expectativa é de aumento de 10% a 40%.
“É um problema muito sério. Segundo a Agência Nacional de Águas, mais de 2 mil municípios terão problema de abastecimento de água em 2015”, alertou Eduardo Assad, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e coordenador do GT2.
Nas áreas costeiras, o aumento do nível do mar deve intensificar as inundações e os processos erosivos. Além disso, o aumento da temperatura e da acidificação dos oceanos deverá ter impacto negativo sobre os ecossistemas marinhos e sobre a pesca.
“Podemos ter uma perda no volume de pescado de 6%, em média. Imaginem quantas famílias de pescadores serão atingidas”, observou Assad. O estudo prevê ainda a perda de biodiversidade em ecossistemas aquáticos e terrestres, levando ao desaparecimento ou à fragmentação de hábitats .
Agricultura e energia
A atividade agrícola tende a ser afetada diretamente pelas mudanças climáticas. Com o aumento da temperatura e a redução da quantidade de água, áreas de baixo risco para a agricultura vão se tornar de alto risco, perdendo valor e forçando a população rural local a migrar para os centros urbanos.
“No Ceará, por exemplo, isso pode acarretar uma redução de até 60% no produto interno bruto agrícola e no valor das terras”, ressaltou o coordenador do GT2.
Outro problema sério são os efeitos sobre pragas e doenças que atacam as culturas. A alta de temperatura e umidade serão condições ideais para a eclosão de fungos.
Já o setor energético pode ser afetado de diversas formas pelas mudanças climáticas. Segundo Assad, é necessário ampliar a matriz energética, pois haverá problemas na geração de energia hidrelétrica em razão das alterações na oferta de água.
Para ele, a abertura para alternativas energéticas mais limpas ainda é tímida, enquanto há estímulo para fontes como gás de xisto e termelétricas a carvão. “Onde estão os incentivos para as energias solar, eólica e de marés? Continuamos insistindo na vanguarda do conservadorismo energético”, destacou.
Cidades e saúde
As cidades também serão bastante afetadas, com alguns fenômenos já em andamento, como os deslizamentos de encosta e os alagamentos causados por deficiências no sistema de drenagem urbano.
“Não preciso lembrar o que vai acontecer em janeiro e fevereiro no Rio de Janeiro e em Salvador. Nenhuma atitude foi tomada nos últimos anos para resolver esse problema”, criticou Assad.
Em termos de transporte, o modal utilizado pelo país estaria totalmente equivocado, principalmente o urbano, de acordo com o documento. Mudar isso, especialmente no quesito transporte de carga, faria o Brasil dar um grande salto na emissão de gases de efeito estufa.
Na questão de saúde humana, o país estaria extremamente vulnerável por conta de ondas de calor e de frio, que estariam relacionadas a uma maior mortalidade. Essas condições também podem ser ideais para a proliferação de vetores de doenças tropicais, como mosquitos, levando a uma expansão de males como a dengue.
Para o coordenador do GT2, reduzir os problemas relacionados à água, bem como à subsistência e à pobreza são igualmente críticos. “Essas são ações prioritárias que o Brasil tem que atacar. Para isso, governo, indústria, comércio e sociedade precisam estar envolvidos em uma resposta nacional adequada”, concluiu Assad.
Mais informações: http://www.pbmc.coppe.ufrj.br/pt/

sábado, 26 de outubro de 2013

A new European report on climate extremes is out

rasmus @ 26 October 2013
A new report on extreme climate events in Europe is just published: ‘Extreme Weather Events in Europe: preparing for climate change adaptation‘. It was launched in Oslo on October 24th by the Norwegian Academy of Science and Letters, and the report is now available online.
Front cover of 'Extreme Weather Events in Europe: preparing for climate change adaptation'
Front cover of ‘Extreme Weather Events in Europe:
preparing for climate change adaptation’
What’s new? The new report provides information that is more specific to Europe than the SREX report from the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), and incorporate phenomena that have not been widely covered.
It provides some compelling information drawn from the insurance industry, and indeed, a representative from Muncih Re participated in writing this report. There is also material on convective storms, hail, lightening, and cold snaps, and the report provides a background on extreme value statistics, risk analysis, impacts, and adaptation.

The main difference with the recent IPCC reports (e.g. the SREX) is the European focus and that it includes more recent results. The report writing process did not have to follow as rigid procedures as the IPCC, and hence the report is less constrained. For instance, it provides set of recommendations for policymakers, based entirely on scientific considerations.
The report, in which I have been involved, was initiated by the Norwegian Academy of Science and Letters, and was written by a committee of experts across Europe. Hence, the final report was published as a joint report by the Norwegian meteorological institute, the Norwegian Academy of Science and Letters, and the European Academies Science Advisory Council (EASAC)

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Governo Federal adota providências para reduzir semiaridez em 11 Estados

Objetivo é evitar prejuízos, como a perda de 30% dos rebanhos este ano.


A seca no Brasil será minimizada por meio de medidas de prevenção e convivência com a semiaridez. A criação de um sistema de monitoramento e a implantação, a nível nacional, das resoluções da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação aparece entre as ações para minimizar os problemas causados pela estiagem no país. O objetivo é evitar prejuízos, como a perda de 30% dos rebanhos este ano, e encontrar alternativas para a produtividade e o desenvolvimento sustentável nas regiões afetadas.

O plano de ações para frear os transtornos da seca passa por discussão, entre esta quarta (23/10) e quinta-feira (24/10), em Brasília, na 5ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Combate à Desertificação (CNCD). Presidido pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o órgão colegiado deliberativo é formado por 44 representantes da sociedade civil, do setor produtivo e dos governos federal e estaduais e municipais dos 11 Estados afetados pelo fenômeno – todos os nove do Nordeste, acrescidos de Minas Gerais e Espírito Santo.


Uma plataforma digital será colocada em funcionamento com o objetivo de prever pontos que serão afetados e subsidiar ações de adaptação, a exemplo do que já ocorre no monitoramento de deslizamentos de terras e outros desastres causados por chuvas no país. Após três anos de trabalho, o banco de dados que dará suporte à elaboração do Sistema de Alerta Precoce de Secas e Desertificação está pronto e foi apresentado na reunião da comissão.

O material servirá para a consolidação do sistema, em fase de elaboração em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) para ser inserido no Centro de Monitoramento de Desastres Naturais. A intenção é gerar indicadores de áreas suscetíveis a desertificação a tempo de que ações sejam tomadas. A plataforma usará informações como dados sobre solos, cobertura de terra e geomorfologia para emitir os alertas.

A comissão também focou os resultados alcançados pela delegação brasileira na Conferência das Partes (COP 11) da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, realizada em setembro deste ano em Windhoek, capital da Namíbia. O objetivo é alinhar os temas acordados entre a comunidade internacional com as políticas brasileiras e o Plano Nacional de Combate à Desertificação.

O intuito é estimular ações de adaptação à realidade das regiões afetadas pela seca. “Estão sendo desenvolvidas estratégias de convivência sustentável com a semiaridez”, explicou o diretor de Combate à Desertificação do MMA e secretário-executivo da comissão, Francisco Campello. Segundo ele, as políticas públicas em desenvolvimento fomentarão o uso produtivo e consciente das terras atingidas pelo fenômeno.

O MMA, em parceria com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), apoia a elaboração dos Programas Estaduais de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca nos 11 Estados afetados. Os programas contêm as necessidades e as áreas que devem ser priorizadas em cada uma das unidades federadas.


A desertificação se traduz na degradação da terra nas zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas e decorre de fatores como variações climáticas e atividades humanas. No Brasil, o processo é resultado do uso inadequado dos recursos florestais da caatinga e do cerrado para atividades como práticas agropecuárias sem manejo dos solos e o fornecimento de biomassa florestal para atender 30% da matriz energética do Nordeste e outras regiões, por meio de desmatamento.

As chamadas áreas suscetíveis à desertificação representam 16% de todo o território brasileiro. Ao todo, são 1.488 municípios e a população rural diretamente afetada pelo processo de degradação chega a 10 milhões de habitantes. Essas regiões concentram 66% da pobreza rural do país.

Fonte: portal do MMA

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

CNPq lança plataforma voltada à popularização da ciência

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) lançou, na tarde desta terça-feira (22), a sua nova plataforma voltada à popularização da ciência. A ferramenta institucional fica na própria página do CNPq e está disponível para navegação, consultas, leitura e pesquisa dos usuários.
A cerimônia de lançamento foi realizada no estande do CNPq, na décima edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) no Distrito Federal, que está sendo realizada no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília.
A plataforma está localizada na aba “Popularização da Ciência” no alto da página da agência de fomento. Ao ampliar a divulgação científica brasileira, a nova plataforma oferece informações bastante detalhadas e de fácil entendimento pela sociedade. Entre os itens próprios para consultas estão três grandes áreas do conhecimento científico: Exatas, da Terra e Engenharias; Biológicas, Saúde e Agrárias; e Humanas e Sociais. Um quarto item, este voltado a Inovação, completa o rol de temas prioritários selecionados pelo CNPq.
Segundo o presidente da agência, Glaucius Oliva, a reorganização do site institucional possibilita a ampliação da difusão do conhecimento adquirido pela comunidade científica nacional. “Esta grande nova plataforma é um instrumento de divulgação marcante dos resultados das pesquisas no Brasil. É muito importante dizer para a sociedade o que a ciência esta fazendo no país”, ressaltou.
Os temas no canto esquerdo superior da plataforma oferecem uma vasta quantidade de informações relacionadas às iniciativas conduzidas ou apoiadas pelo conselho. O primeiro tema, “Fazendo divulgação científica”, remete ao conteúdo dos projetos de pesquisa cadastrados no portal, como imagens, vídeos e as publicações produzidas pelos próprios pesquisadores e enviadas para acesso aberto do público.
A interatividade também está presente neste subitem, que possibilita aos pesquisadores cadastro para que o seu projeto de pesquisa seja noticiado em uma linguagem explicativa e acessível a todos os públicos. A primeira entrevista concluída pela equipe do novo portal traz o pesquisador da área de bioquímica Leopoldo de Méis, dedicado ao esforço de tornar a ciência acessível para o público leigo.
“Prêmios”, “Museus e centros de ciência”, “Olimpíadas científicas”, “Feiras e mostras de ciência”, “Relatórios de pesquisa”, Memória do CNPq” e “Programa editorial” são os demais temas com acesso aberto na área.
“Hoje temos 25 mil cientistas apoiados pelo CNPq, que enviam seus relatórios de pesquisa periodicamente para a instituição”, disse Oliva. “Qualquer pesquisador pode ter temas selecionados para a produção de matérias ou explicar suas pesquisas em vídeos”, explicou. “Com isso a sociedade aprende, de forma mais simples, o conteúdo das pesquisas desenvolvidas no país.”
O estande do CNPq na SCNT do Distrito Federal está localizado dentro do estande do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e pode ser visitado até domingo (27). Acesse o site da semana nacional e acompanhe a cobertura das atividades.

Texto: Ricardo Abel – Ascom do CNPq

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Seminário de Mudanças Climáticas: Em Busca de Soluções Sustentáveis

Agência FAPESP – A Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) promove no dia 4 de novembro, em São Paulo, o Seminário de Mudanças Climáticas: Em Busca de Soluções Sustentáveis.
Entre outros assuntos, será discutida a gestão da emissão de gases de efeito estufa em busca do fortalecimento da economia de baixo carbono.
José Guilherme da Rocha Cardoso, chefe do departamento de Meio Ambiente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o professor Luiz Pinguelli Rosa, secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, e Michelle Orfei, diretora de Assuntos Globais do American Chemistry Council, são alguns dos palestrantes com presença confirmada.
As inscrições devem ser feitas no site do evento até o dia 1º de novembro.
Mais informações www.abiquim.org.br/curso-e-evento/lista-de-evento

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Mini-curso de Ciências Climáticas na UFRN: 'From Air Pollution to Climate Impacts'


Estão abertas as inscrições para o minicurso:

“Observations and Modeling in Atmospheric Chemistry: From Air Pollution to Climate Impacts”

que será ministrado dos dias 12 – 15 November, 2013 em inglês no Auditório do DFTE (dia 12) e no Auditório do CCET (nos dias 13 e 14). Os locais do dia 15 ainda serão anunciados para os participantes desta parte.

A programação do curso encontra-se em anexo.

Os palestrantes serão:

- Prof. Jörg Matschullat da Universidade Técnica TU Bergakademie Freiberg, Alemanha, especialista em modelagem climática, Aerossóis atmosféricos e solos.
- Msc. Kamal Zurba da Universidade Técnica TU Bergakademie Freiberg, Alemanha, especialista do cico de carbono e emissões do solo
- Prof. Hendrik Elbern da Universidade de Colônia e Jülich Research Centre da Alemanha, especialista em modelagem de qualidade do ar e assimilação de dados químicos.

O curso consiste em uma parte aberta para todos, dos dias 12-14 de novembro e uma sessão fechada no dia 15 de novembro, reservada a usuários do modelo EURAD-IM (à tarde) e interessados no instrumento de medições de fluxos de CO2 do solo de TU Bergakademie (parte da manhã).

As inscrições podem ser feitas até o dia 05 de novembro, escrevendo um email para o endereço
< judith.ppgcc@gmail.com>, informando:

- nome completo
- matrícula
- curso de graduação /pós-graduação
- email de contato
- número de telefone de contato

Judith Hoelzemann
Processos Físicos e Químicos da Baixa Atmosfera